Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Livro Chave para a Felicidade » A Chave para a Felicidade (Considerações Finais)
Tamanho da Fonte
A Chave para a Felicidade (Considerações Finais)
Depois dessa breve visão sobre o Islã, se você me perguntar se estou convencido da veracidade do Islã, responderei com certeza que sim. A razão? Encontro resposta para todas as questões que vêm na minha cabeça. Não encontro nada que seja incoerente, e permaneço tranqüilo e confortável com minha crença, que inclui a crença em Allah , fazendo o que um muçulmano deve fazer e me abstendo de atos ilícitos. Com isso, estou apto a alcançar todos os meus direitos e acreditar que o direito dos outros está preservado. Nela, Allah me chama a defender o bem e os costumes éticos e deixar de lado tudo que é antiético. Se sua crença não te oferece tudo isso, então, você deve pesquisar mais sobre o que é melhor. Você sabe qual é a melhor crença? Ela é o Islã. Estou certo que alguém pode dizer: “Bem, você é um muçulmano e você está tentando vender a sua fé!” Mas se eu lhe dissesse que não só os muçulmanos professam isso, mas não-muçulmanos também, o que você diria? Existem muitos escritores ocidentais que foram justos na sua abordagem e falaram nobremente sobre o Islã.

Maurice Gaudefroy disse: “Muhammad foi um profeta, não um teólogo, um fato tão evidente que ninguém contradiz isso. Os homens que o cercavam e constituíam a elite influente da comunidade muçulmana, contentaram-se com a obediência a lei que ele proclamou em nome de Allah e em seguir seus exemplos e ensinamentos[1]”.

Washington Irving[2] disse: “Seu triunfo militar não lhe despertou orgulho nem vaidade como deveriam ter despertado se tivesse sido obtido com propósitos egoístas. No auge de sua liderança ele manteve a mesma simplicidade e aparência como nos dias de dificuldade. Longe de ter uma aparência majestosa, ele ficava desagradado se, ao entrar em uma sala, alguma reverencia fosse prestada a ele[3]”.

Edmund Burke disse: “A Lei de Muhammad, que une todos desde a cabeça coroada até a pessoa mais inferior, é uma lei entrelaçada com um dos mais sábios princípios, com o mais estudado e com a mais esclarecedora jurisprudência que já existiu no mundo[4]”.

G. Margoliouth disse: “O Alcorão certamente ocupa uma importante posição entre os grandes livros religiosos do mundo. Embora, o mais recente, pertence à classe literária das obras que marcaram época, mas isso dificilmente consegue refletir o maravilhoso efeito que produziu em grandes massas de homens. Ele originou a todos uma nova fase de pensamento e caráter humano sadio[5]”.

Agora, para ser franco, porque não aceitar o Islã como sua fé?

Será que é porque prega a unicidade de Deus ?

Será que é porque chama as pessoas para adorarem a Deus ?

Será que é porque chama as pessoas para defenderem aquilo que é ético?

Será que é porque chama as pessoas para serem justas e se afastarem da injustiça?

Será que é porque considera todos iguais aos olhos de Deus ?

Será que é porque todos terão sua parte e receberão todos os seus direitos?



[1] Ibid (Abreviação da palavra em latim “Ibiden” que significa “No mesmo lugar”).

[2] Famoso escritor que faleceu em 1859.

[3] Encyclopedia of Seerah, por Afzalur-Rahman.

[4] Ibid.

[5] G. Margoliouth, Introduction to J. M. Rodwell, O Alcorão (New York: Everyman's Library: 1977), VII.

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2017, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,428,598 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3