Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Religião Comparada » Os Títulos Descritivos de Jesus no Alcorão (parte 1 de 2)
Tamanho da Fonte
Os Títulos Descritivos de Jesus no Alcorão (parte 1 de 2)
Descrição: Uma discussão do nome, títulos e descrição de Jesus no Alcorão.  Parte 1: Um olhar no conceito de Messias no pensamento judaico-cristão e também no Islã e o título de “Milagre”, que Deus deu a Jesus no Alcorão.
Por IslamReligion.com
Publicado em 26 Dec 2011 - Última modificação em 26 Dec 2011

Visualizado: 102 (média diária: 12) - Classificação: 4 de 5 - Classificado por: 2
Impresso: 3 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Religião Comparada > Jesus

O Islã, ao lado do Cristianismo, é a única religião mundial importante que reconhece Jesus.  A crença de um muçulmano está incompleta sem Jesus.  O Profeta Muhammad disse:

“Se alguém testemunhar que ninguém tem o direito de ser adorado, exceto Deus, que Ele não tem parceiros e que Muhammad é Seu servo e Seu mensageiro; e que Jesus é servo de Deus e Seu mensageiro e Seu Verbo que Ele concedeu sobre Maria e um Espírito vindo Dele; e que o Paraíso é verdadeiro e o Inferno é verdadeiro, Deus admitirá no Paraíso com as boas ações que fez, mesmo se essas ações forem poucas.” [1]

Em outras palavras, sem uma crença sólida em Jesus, nunca se conseguirá o Paraíso de Deus.  Como com os outros profetas de Deus, os muçulmanos adicionam ao seu nome alai his-salam, que significa “que a paz esteja sobre ele.” [2] Embora Jesus tenha dito: Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou” [3] no Evangelho, os cristãos raramente usam qualquer termo honorífico, exceto “Cristo”, e isso como parte de seu nome. Embora isso possa ser devido à idéia de que o cristão não ora por ele, mas para ele, demonstra que os muçulmanos têm um grande respeito por ele, apesar de não compartilharem esse ponto de vista.

O Alcorão é a escritura sagrada do Islã e nele mais de noventa versículos espalhados em quinze capítulos do Alcorão discutem Jesus.  Três capítulos do Alcorão são nomeados por suas referências a Jesus: o terceiro capítulo do Alcorão, “A Família de Imran”, tem esse nome por causa do pai de Maria; o quinto capítulo, “A Mesa Servida”, provavelmente recebeu esse nome por causa da última ceia.  Por fim, o capítulo dezenove recebeu seu nome por causa de Maria.

Seu Nome no Alcorão

Em árabe Jesus é conhecido como Issa.  Em dezesseis das 25 passagens no Alcorão onde Issa é usado, ele é chamado “o filho de Maria” (Ibn Mariam).  Como não teve pai, recebeu o nome de sua mãe.[4]

Os Títulos Descritivos de Jesus no Alcorão:

(1)       O Messias

Antes do aparecimento de Jesus a crença na vinda do Messias era uma parte básica e fundamental do Judaísmo tradicional.  É parte dos Treze Artigos de Fé de Maimônides que são considerados os requisitos mínimos da crença judaica.[5] Na oração Shemoneh Esrei[6], recitada três vezes por dia, os judeus modernos oram para que o Messias que será seu rei da linha de Davi venha e restaure as glórias de sua era dourada.  Em hebraico “Messias” significa o “ungido”.  É interessante notar que a profecia do Velho Testamento enfatiza a humanidade do Messias referindo-se a ele como o “filho do homem” (Daniel 7:13)[7] e não como Deus.

A ideologia do Messias tem uma posição central na teologia cristã.  De acordo com a Bíblia, Jesus reivindicou ser o Messias esperado dos judeus (João 4:25-26) [8] , mas eles o rejeitaram. Consequentemente os cristãos aplicaram “Cristo” - a palavra grega para “Messias” - a Jesus.  Além disso, também mantêm que o Messias seria o filho de Deus.

O Alcorão corrige os judeus e cristãos em seus excessos.  Considera que os judeus estão corretos em acreditarem que o Messias seria humano, mas equipara sua rejeição de Jesus à descrença:

E por blasfemarem e dizerem graves calúnias acerca de Maria. E por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, senão que isso lhes foi simulado. E aqueles que discordam, quanto a isso, estão na dúvida, porque não possuem conhecimento algum, abstraindo-se tão-somente em conjecturas; porém, o fato é que não o mataram.” (Alcorão 4:156-157)

Por outro lado, o Alcorão concorda com os cristãos que identificam Jesus com o Messias, mas considera a insistência deles de que o Messias é o filho de Deus uma blasfêmia:

“São blasfemos aqueles que dizem: Deus é o Messias, filho de Maria.” (Alcorão 5:72)

A verdade, de acordo com o Alcorão, é que:

“O Messias, filho de Maria, não é mais do que um mensageiro, do nível dos mensageiros que o precederam.” (Alcorão 5:75)

Além disso, o Alcorão afirma que o Messias chamou para a adoração do “verdadeiro Deus”, como todos os profetas antes dele:

“... o Messias disse, ‘Ó Filhos de Israel, adorai a Deus, meu Senhor e vosso Senhor.’” (Alcorão 5:72)

O Alcorão se refere a Jesus como o Messias (al-Massih) pelo menos nove vezes.[9] Uma das explicações dadas pelos lexicógrafos é que Jesus era o Messias porque ungiu os olhos do cego para curá-los (Alcorão 3:43; Marcos 6:13; Tiago 5:14) ou porque costumava impor as mãos sobre os doentes.

(2)       Sinal

O Alcorão descreve Jesus como sendo um “Sinal” uma ayah no Alcorão.  Na terminologia do Alcorão um milagre é um “sinal” de Deus para mostrar poder divino e habilidade irrestrita de fazer ações fora da cadeia de causa e efeito.  Nesse sentido, o nascimento virginal de Jesus é um milagre; uma maravilhosa demonstração do poder grandioso de Deus de fazer o que deseja.  Consequentemente, Jesus é um “sinal” não somente para os israelitas, mas para o mundo todo:

“E fizemos do filho de Maria e de sua mãe sinais.” (Alcorão 23:50)

“Fizemos dele um sinal para os homens...” (Alcorão 19:21)

“...fazendo dela e de seu filho sinais para a humanidade.” (Alcorão 21:91)

Em acréscimo o Alcorão declara a segunda vinda de Jesus como um “sinal”, um anúncio de que o Dia do Juízo está próximo: “E (Jesus) será um sinal (do advento) da Hora. Não duvideis, pois, dela, e segui-me, porque esta é a senda reta.” (Alcorão 43:61)



Footnotes:

[1] Saheeh Al-Bukhari

[2] Esse é o significado “literal”.  Os estudiosos com mais conhecimento interpretam como significando “que Deus o mantenha a salvo de todo o mal”.

[3] João 14:27

[4] A Bíblia se refere a Jesus como o “filho de Maria” (Marcos 6:3): Não é este o carpinteiro, filho de Maria...”

[5] “12. Eu firmemente acredito na vinda do Messias; e embora Ele possa tardar, espero diariamente por Sua vinda. The Jewish Encyclopedia (A Enciclopédia Judaica) (http://www.jewishencyclopedia.com)>

[6] “Dê-nos entendimento, Ó Eterno, nosso Deus, para conhecer Tuas maneiras e circuncise nosso corações para temer-Te; e perdoe-nos para que sejamos redimidos. E remova nossa dor física; e nos enriqueça com a fertilidade de Tua terra; e reúna nossos dispersos dos quatro cantos da terra; e se eles se desviarem do Teu conhecimento que sejam julgados; e sobre os malfeitores erga Tua mão, mas que os virtuosos possam jubilar na construção da Tua cidade e na refundação do Teu Templo e na criação de uma trompa para Davi Teu servo e na preparação de uma luz para o filho de Jessé, Teu Messias. Antes de chamarmos Tu responderás. Abençoado sejas Tu, Ó Eterno, que ouve as súplicas”. The Jewish Encyclopedia (http://www.jewishencyclopedia.com).

[7] “Eu estava olhando nas minhas visões noturnas, e eis que vinha com as nuvens do céu um como filho de homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e foi apresentado diante dele.”

[8] “(6) Replicou-lhe a mulher: Eu sei que vem o Messias (que se chama o Cristo); quando ele vier há de nos anunciar todas as coisas.” (7) “Disse-lhe Jesus: Eu o sou, eu que falo contigo.”

[9] Alcorão 3: 45, 4: 157, 171, 172, 5: 17, 72, 75; 9: 30, 31.

leia o artigo original em: http://www.islamreligion.com/pt/articles/230/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2017, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,431,843 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3