Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Conheça o Islam » A Religião do Islam
Tamanho da Fonte
A Religião do Islam
Que é o Islam?

Disse, uma vez, aos meus discípulos: "Se um homem estrangeiro lhes dissesse que só dispunha de uma hora e que queria compreender, nesse tempo, o que é o Islam, como o fariam compreendê-lo?"

Responderam: "Impossível, pois ser-lhe-ia imprescindível estudar a teologia monoteísta, as regras para a correta recitação alcorânica, a interpretação, os ditos do Profeta (ahádice), a jurisprudência islâmica, a metodologia do direito islâmico, e tratar de problemas e questões dos quais não sairia em menos de cinco anos."

Disse-lhes: "Louvado seja Deus. Acaso não veio um beduíno ter com o Mensageiro de Deus (Deus o abençoe e lhe dê paz), permanecendo com ele apenas um dia, aprendeu o que é o Islam, levando o conhecimento ao seu povo e passando a ser o orientador e o mestre, o predicador do Islam e o missionário? Além disso, acaso o Mensageiro não explicou toda a religião, em três fases, falando nelas da fé, do Islam e do Ihsan (benevolência)? Então, por que não o explicaríamos, hoje em dia, em uma hora?"
Que é o Islam? Como alguém se torna muçulmano?

Para cada uma das seitas verdadeiras ou falsas, das associações beneficentes ou perniciosas e dos partidos retos ou perversos, há princípios e fundamentos racionais, e questões ideológicas, que determinam a sua meta e dirigem a sua marcha, sendo norma, para cada um dos seus afiliados e seguidores.

Quem quiser afiliar-se a qualquer um deles se fixará, primeiro, nestes princípios que, caso admita e acredite que são corretos, aceitará em seu consciente e em seu subconsciente, não abrigará nenhuma dúvida e solicitará a sua filiação a esta associação. Cumprirá com as suas obrigações, dentro dela, realizará os trabalhos instituídos pelos seus estatutos, pagará a cota do filiado, tal como prescreve o regulamento e, além disso, deverá demonstrar, com a sua conduta, fidelidade aos seus princípios, lembrar-se sempre destes princípios e não fazer nada que o distancie deles, mas dar, com a sua moral e com a conduta, um bom exemplo e ser um predicador verdadeiro.

A filiação a esta associação significa o conhecimento dos seus estatutos, a crença em seus princípios, a obediência às suas determinações e uma vida coerente com a mesma.

Este panorama geral é aplicável ao Islam.

Quem entrar no Islam tem de aceitar, primeiro, os seus fundamentos racionais e crer neles totalmente, até que constituam, para ele, uma ideologia. Eles se resumem em que este mundo material não é tudo e que a vida terrena não é a vida integral. Porque o homem existia, antes de nascer, e seguirá existindo, depois da morte; ele não criou a si mesmo, mas foi criado do nada, e não foi criado do mundo inanimado que o rodeia, porque é racional e o mundo inanimado não tem razão. Foi criado, ele, e tudo no universo, do nada, por Um só Deus, que é único, que o ressuscita e o faz morrer. Foi Ele que criou tudo, e, se quiser, pode aniquilá-lo e fazê-lo desaparecer, pois este é o Deus que não tem semelhante algum, em todos os universos, que não tem princípio, nem fim; é Eterno, Todo-Poderoso, e não há limitações para os Seus poderes e capacidade; é Sapientíssimo, e não há nada oculto para Ele; é Justo, porém não se mede a Sua justiça absoluta com os parâmetros da justiça humana. Foi Ele que dispôs as regras do universo (que denominamos Leis Naturais) e as fez todas comedidamente, limitando, desde sempre, as suas partes e espécies, e o que acontecerá com os vivos e com os inanimados, com o movimento e com a inércia, com a consistência e com a inconsistência. Dotou o homem de um intelecto, com o qual pode pensar e decidir sobre muitas coisas e escolher o que quiser, e de uma vontade, com a qual realizará o que escolher. Ele crê que Deus criou, além desta vida terrena provisória, outra eterna, na qual se premia os virtuosos, com o Paraíso, e se castiga os iníquos, com o Inferno.

Este é o Deus único. Não tem parceiro algum, que se possa adorar junto com Ele, nem mediador, que possa interceder junto a Ele, sem a Sua anuência. Assim, pois, a submissão deve ser absoluta, em todos os aspectos.

Ele criou entes materiais, que podem ser vistos e sentidos por nós; Criou, também, entes invisíveis, alguns inanimados, outros animados, que não podem ser vistos por nós. Entre as animados, há os criados para o bem absoluto: são os anjos; outros, caracterizados pelo mal absoluto; são os demônios; e outros, que possuem ambos os elementos do bem e do mal; são, ao mesmo tempo, virtuosos e a maldosos: estes são os gênios.

Ele elege, entre os humanos, a quem os anjos têm de revelar a legislação divina, para que a divulgue entre as pessoas. Estes são os mensageiros. Estas legislações estão contidas em livros revelados, que anulam os anteriores a eles e os modificam. O último desses livros é o Alcorão, que, ao contrário do que ocorreu com os livros anteriores a ele, que foram desvirtuados e esquecidos, permaneceu intacto e a salvo das desvirtuações ou de qualquer perda. E o último desses mensageiros e profetas é Mohammad, o árabe, o coraixita, e com ele ficaram seladas, para sempre, todas as mensagens, e com a sua religião, todas as religiões. Não haverá, depois dele, profeta algum.

Portanto, o Alcorão é a constituição do Islam e quem está persuadido
Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2017, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,427,657 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3