Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » O Alcorão Sagrado » A Beleza e Eloquência do Alcorão (parte 2 de 2)
Tamanho da Fonte
A Beleza e Eloquência do Alcorão (parte 2 de 2)
Descrição: Em uma época em que a eloquência era perfeitamente competitiva, foi revelado o Alcorão de explicação milagrosa.  Parte 2.
Por Munir Munshey
Publicado em 11 Feb 2013 - Última modificação em 11 Feb 2013
Visualizado: 35 (média diária: 19) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 0 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > O Alcorão Sagrado > Um Resumo dos Significados de Seus Versículos

A poesia deve sua atração e brilho a mentiras e ficção.  O poeta deixa sua imaginação solta, que vagueia desenfreada para além do reino da realidade.  Quanto mais ele se deixa levar por sua imaginação, mais belo é seu poema.  Quanto mais ele voa para o território da fantasia, mais fantasiosa e fabulosa é sua ficção.  A verdade é a primeira vítima de sua excursão para o território da fantasia.  As frases são seus brinquedos e a ficção é seu lugar de brincadeiras.  As palavras são suas ferramentas e sua oficina o salão de beleza, onde o que é simples torna-se sensual e sensacional e os fatos simples são vestidos para parecerem bonitos e apresentáveis.  Palavras belas e apropriadas são sua profissão e seu objetivo é provocar a imaginação de sua audiência.  Planeja mergulhar seus ouvintes em uma arena de ilusão, o mundo irreal e etéreo.

O exagero é a especialidade do poeta, seu chamado especial.  Até um simples sorriso é um voo de fantasia para um poeta.  Estica a verdade até o limite, até que se torne uma mentira.  Com um pouco de embelezamento transforma um evento brando em um conto tentador.  Se a verdade não lhe agrada, segue adiante para diluir o efeito do fato.  Se o fato não se adequa à sua fantasia e o mistura com uma dose de mito, tirando o fato de foco.  Com palavras, pode tricotar um escudo para desviar o fato.  Assim, ele trivializa a verdade.  Torcerá e distorcerá as palavras e atacará a verdade até que produza o significado que deseja.  Cobre a verdade com camadas de interpretações até que a verdade torne-se uma estranha.  Com o uso hábil de palavras, pode batizar uma ficção e também ficcionalizar um fato.   Circula mentiras ao envolvê-las com camadas de fatos conhecidos e irrefutáveis.  Empresta credibilidade e respeito a suposições infundadas ao cercá-las de fatos respeitados.  A falsidade, assim, é fortalecida.  O texto poético é a prioridade de um poeta e seu talento consiste de frases fantasiosas, não de verdade.  A poesia agrada a estética e o intelecto, mas não é verdade.  Sobre os poetas, o Alcorão diz:

" E os poetas que seguem os insensatos. Não tens reparado em como se confundem quanto a todos os vales? E em que dizem o que não fazem?” (Alcorão 26: 224-226)

" E não instruímos (o Mensageiro) na poesia, porque não é própria dele. O que lhe revelamos não é senão uma Mensagem e um Alcorão lúcido.” (Alcorão 36: 69)

Que este (Alcorão) é a palavra do Mensageiro honorável. E não a palavra de um poeta. - Quão pouco credes- Nem tampouco é a palavra de um adivinho. Quão pouco meditais! (Esta) é uma revelação do Senhor do Universo. (Alcorão 69: 40-43)

A diferença entre ele e o trabalho dos poetas, escritores e filósofos não é apenas de grau ou qualidade, mas também de caráter e classe.  Não se rebaixou ao modelo terreno de distorção e desonestidade.  Ao contrário, engrandeceu e higienizou os padrões de literatura e a introduziu em um novo patamar.  Impôs um requisito mais difícil para o padrão literário e exigiu honestidade e precisão absolutas.  Recusou-se a unir-se à ficção e à arte de ficcionalização de fatos e desdenhou o exagero.  Não ganhou fazendo uso das formas e meios dos outros trabalhos literários.

Os gigantes literários conhecem as normas de gramática e dicção.  Ainda assim, não podem atender à regra estabelecida pelo Alcorão.  Estão em desvantagem porque sua competência não tem valia sem falsidade e ficção.  Se o exagero fosse removido de seus trabalhos, não sobraria muito.  Não conseguem imaginar a poesia sem um grau de mentiras e embelezamentos.  Assim, o Alcorão tirou as restrições dos fatos e liberou a verdade das garras de seus captores - os poetas, escritores e filósofos do passado, presente e futuro.  Expôs suas espertezas.  Quando se trata de assuntos que pertencem a esse mundo, conhecem os fatos, mas nem sempre escolhem ser honestos e precisos.  Entretanto, quando se trata de assuntos do além túmulo, são de fato charlatães que se apoiam em suposições e conjecturas.

Sua maioria não faz mais do que conjecturar, e a conjectura jamais prevalecerá sobre a verdade; Deus bem sabe tudo quanto fazem! (Alcorão 10: 36)

"Se obedeceres à maioria dos seres da terra, eles desviar-te-ão da senda de Deus, porque não professam mais do que a conjectura e não fazem mais do que inventar mentiras.ˮ (Alcorão 6: 116)

O Alcorão desafiou as normas aceitas de literatura e alcançou a eloquência e eminência sem recorrer a qualquer tipo de exagero.  Por causa disso, cada clássico literário criado em qualquer período da história e em qualquer idioma do mundo, recairia em uma classe inferior àquela do Alcorão.  Tem um caráter único que é todo seu.  Apresenta os fatos de forma clara e meticulosamente adere à narração precisa.  Mesmo quando cita uma parábola, a comparação nunca é enganosa e não distorce a verdade.  As palavras e frases que usa trazem a verdade inalterada.  Jura dizer nada além da verdade.  A precisão é sua prioridade e todo o seu texto pode ser aceito literalmente.  O tratado científico deve igualmente exato.  Sua adesão à precisão quando se trata de assuntos que pertencem a esse mundo, infunde fé e confiança nos crentes.  São convencidos de que os eventos programados para ocorrer além da morte também são retratados com a mesma exatidão e precisão e sem exageros.  A razão pela qual o Alcorão permaneceu incomparável em substância e estilo é tratar-se da absoluta verdade.  Diz a seu próprio respeito:

“Tais são os versículos de Deus que realmente te ditamos, porque és um dos mensageiros.” (Alcorão 2:252)

Ele te revelou (ó Muhammad) o Livro (paulatinamente) com a verdade corroborante dos anteriores, assim como havia revelado a Tora e Evangelho. (Alcorão 3:3)

"Alif, Lam, Meem, Ra. Estes são os versículos do Livro. O que te foi revelado por teu Senhor é a pura verdade; porém, a maioria dos humanos não crê nisso.ˮ (Alcorão 13:1)

leia o artigo original em: http://www.islamreligion.com/pt/articles/3924/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2017, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,427,576 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3