Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Convertidos ao Islam » Melech Yacov, ex-judeu, EUA (parte 2 de 2)
Tamanho da Fonte
Melech Yacov, ex-judeu, EUA (parte 2 de 2)
Descrição: Na faculdade, Melech estuda várias filosofias e se envolve com a esquerda política, seguindo em frente posteriormente, mas ainda dando apoio à causa palestina. Depois do 11 de setembro, sua mente aberta permite que desconsidere toda a propaganda e, depois de ler o Alcorão, finalmente encontra a verdade que buscava.
Por Melech Yacov
Publicado em 06 Jan 2014 - Última modificação em 06 Jan 2014
Visualizado: 169 (média diária: 5) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 0 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Histórias de Novos Muçulmanos > Homens

Estava fascinado com a cultura nativa americana e sua bravura diante dos colonos brancos que roubaram suas terras.  Os nativos americanos tiveram mais de 250 tratados quebrados e receberam as piores faixas de terra que ninguém queria.  A história dos nativos americanos é semelhante a dos palestinos.  Os primeiros palestinos estavam morando na Palestina por milhares de anos e, de repente, os judeus os substituíram e os nativos foram forçados a ficar em campos de refugiados, nos quais ainda vivem.  Perguntei aos meus pais em que os palestinos eram diferentes dos nativos americanos e a única resposta recebida foi “por que querem matar todos os judeus e jogá-los no mar.”  Meu entendimento do povo palestino me colocou acima de todos os judeus, seus líderes e rabinos que antes via como sábios.  Como um bom judeu podia negar que os palestinos eram mortos e expulsos de suas terras para abrir caminho para assentamentos judaicos?  O que justifica esse ato de limpeza étnica - o fato de que muitos judeus morreram no Holocausto! Ou é por que a Bíblia diz que é “nossa” terra?  Qualquer livro que justifica uma coisa dessas seria imoral e, portanto, não viria de Deus.

Quando entrei no segundo grau me interessei por filosofia e li muitos dos grandes pensadores do passado.  Passei tempo com bons amigos que liam filosofia e que caminharam comigo os caminhos acidentados para a Verdade.  Um dos filósofos que teve impacto sobre mim foi o nascido judeu Spinoza.  Spinoza era um estudante do Talmude do século 17 que questionou tudo que lhe foi ensinado como a crença na vida após a morte, uma crença que não existe em nenhum lugar no Torá.  De fato, muitos dos judeus primitivos não tinham essa crença.  Spinoza foi expulso da comunidade judaica por causa de suas opiniões.  Gostei de ler suas opiniões sobre a Bíblia, que segundo ele não podia ser entendida literalmente sem uma enorme quantidade de contradições e problemas.

Então li dois livros significativos que eliminaram completamente qualquer simpatia que ainda restasse pelo Judaísmo.  O primeiro livro se chamava “On the Jewish Question” (Sobre a questão judaica, em tradução livre) de Abram Leon.  Leon era um organizador comunista clandestino na Bélgica durante a Segunda Guerra e posteriormente foi capturado e morto em Auschwitz.  Seu livro respondeu a antiga questão: Por que os judeus sobreviveram por tanto tempo?  Ele deu um relato histórico soberbo dos judeus da época da Antiguidade até os dias modernos e mostra como sua sobrevivência não foi um milagre.  Nas palavras de Karl Marx “Não foi apesar da história que os judeus sobreviveram, mas por causa dela.” Primeiro, ele mostra quanto da comunidade judaica deixou Israel por vontade própria antes da destruição de Jerusalém.  Então explica que os judeus eram valiosos para os reis e nobres da idade média por causa de sua condição como intermediários.  Depois mostra como durante o processo de acumulação capitalista o status dos judeus finalmente tomou um rumo descendente, sendo subsequentemente perseguidos por sua usura.

O segundo livro que me afetou muito se chamava “Who Wrote the Bible?” (Quem escreveu a Bíblia, em tradução livre) de Elliot Freedman.  Assume a tarefa histórica de Spinoza.  O livro prova que o Torá foi de fato escrito por 4 pessoas diferentes.  Freedman nos explica que havia 2 relatos tradicionais diferentes do reino de Israel e Judá e que um redator entrelaçou-os para chegar à Bíblia que temos hoje.

Além de ler filosofia com meus amigos, também assumimos muitas causas políticas diferentes em nossa juventude.  Experimentamos de tudo, de Republicanismo a Comunismo.  Li todos os trabalhos de Marx, Lenin, Stalin, Mao e Trotsky.  Encontrei no Marxismo o que sentia que estava faltando em minha vida.  Acreditava que tinha encontrado todas as respostas para tudo e, assim, sentia-me intelectualmente superior a todos.  Os bandidos da filosofia (como eu gostava de nos chamar) se reuniam e formaram seu próprio clubinho socialista.  Íamos a eventos ativistas diferentes, como protestos e greves trabalhistas.

Depois de encontrar todos os diferentes grupos cult que cercavam a esquerda política na América, todos ficamos desgostosos com a forma como agiam e negavam a realidade.  Não seria feita nenhuma revolução em um país com esse tipo de pessoas.  A luta por mudança social não pode ser ganha com métodos do passado.

Embora tivesse desistido de lutar por revolução, tornei-me um organizador ativo a favor dos palestinos.  Essa era a causa principal pela qual era muito apaixonado.  Éramos muito pequenos e atacados pela maioria, o que me orgulhava.  Queria que o mundo soubesse que nem todos os judeus são pessoas ruins.  Fico envergonhado em ver pessoas que uma vez admirei apoiar o regime agressivo de Israel.  As mentiras que vêm de Israel não são nada além de negação de um holocausto.

Embora tivesse desistido do Judaísmo e olhasse para esse mundo como o objetivo supremo do homem, nunca fui de fato um ateu.  Entretanto, tinha um forte ódio de todas as religiões e acreditava que era uma ferramenta das pessoas encarregada de manter todos sob controle.  Quando você vê a forma como os cristãos fundamentalistas agem na América, fazendo coisas como negar a ciência e se apegar aos valores dos antigos brancos, pode entender por que eu era cético com todas as religiões.  A forma como os judeus agiam em relação à Palestina também não ajudava.  Entretanto, continuava acreditando em Deus no fundo da minha mente.  Mas sem a religião, ficou um grande vazio em mim.  Às vezes até desejava ser uma pessoa religiosa, porque sentia que tinham vidas mais felizes.

Honestamente não me lembro do que despertou meu interesse no Islã, especialmente depois de muitos anos de forte sentimento antirreligioso.  Quando criança, lembro-me de ouvir minha mãe falando sobre o Islã e como Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, adorava o mesmo Deus que nós e também como os judeus eram relacionados aos árabes através de Abraão.  Então, de certa forma aceitei o Islã como apenas outra religião que adora Deus.  Tenho uma vaga memória de meu primo (um chassida) que me disse que se um judeu abrisse mão de sua vida como judeu e vivesse como um muçulmano, não estaria cometendo pecado algum! Olhando para trás, fico abismado de ter ouvido tal coisa.

Quando aconteceu o 11 de setembro, houve um aumento na propaganda anti-islâmica nos noticiários.  Desde o início sabia que era tudo mentira, porque já tinha desenvolvido a perspectiva de que tudo na mídia protege os interesses dos que a controlam.  Quando vi que os mais militantes no ataque ao Islã eram cristãos fundamentalistas, o Islã começou a me parecer mais atraente.  Agradeço a Deus pelo que aprendi em meus dias de ativista, porque sem o conhecimento da sociedade e da mídia, teria acreditado em todo o lixo que ouvia sobre o Islã na televisão.

Um dia, lembro-me de ouvir alguém falando sobre fatos científicos na Bíblia e me perguntei se o Alcorão continha fatos científicos.  Fiz uma busca na internet e descobri muitas coisas surpreendentes.  Subsequentemente passei muito tempo consumindo artigos sobre vários aspectos do Islã.  Fiquei surpreso com o quanto o Alcorão era consistente logicamente.  Enquanto lia o Alcorão, comparava sua mensagem moral com a que aprendi da Bíblia e entendi o quanto melhor ela era.  Além disso, o Alcorão não era entediante como a leitura da Bíblia.  É divertido de ler.  Depois de 5 meses de estudo intenso disse minha shahada e me tornei oficialmente muçulmano.

Ao contrário de minha antiga religião, tudo no Islã faz sentido.  Todas as práticas como a oração e o Ramadã eu já compreendia.  Embora imaginasse que o Islã era como o Judaísmo, no qual se segue uma série de regras diferentes de forma dogmática, estava enganado.  Minha compreensão do mundo também era compatível com o que o Islã me ensinava - que todas as religiões são basicamente a mesma, mas foram corrompidas pelo homem ao passar do tempo.  Deus não fez um nome chamado Judaísmo e Cristianismo.  Deus ensinou às pessoas apenas o Islã; que é submissão somente a Ele.  É claro e simples.

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1470/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2018, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,887,623 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3