Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Religião Comparada » O que é Budismo? (parte 2 de 2)
Tamanho da Fonte
O que é Budismo? (parte 2 de 2)
Descrição: O Conceito de Deus no Budismo.
Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
Publicado em 08 Sep 2014 - Última modificação em 08 Sep 2014
Visualizado: 185 (média diária: 10) - Classificação: 2 de 5 - Classificado por: 1
Impresso: 0 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0


Buddhism2.jpgNo Budismo,[1] o objetivo supremo é romper o ciclo de renascimento e alcançar a iluminação ou nirvana.  Nirvana é um estado transcendental no qual não há sofrimento, desejo ou sentido de eu.   O Buda, entretanto, não deu uma definição completa de nirvana.  Vale notar que o termo Buda se refere mais comumente ao fundador do Budismo, Sidarta Gautama, mas qualquer pessoa que alcançou a iluminação plena, ou nirvana, pode ser chamada de um Buda.

Na maioria dos grupos e tradições religiosos a crença chave é a aceitação de um Ser Supremo, em outras palavras, um Deus criador.   Em todas as tradições budistas, entretanto, a crença chave é a importância da meditação.  É considerada o caminho para a libertação - o fim do sofrimento humano.  Os budistas não acreditam em um Deus criador ou pessoal. De fato, o Budismo rejeita essa noção e considera Deus uma resposta ao medo e frustração humanos. De acordo com a ideologia budista, os humanos criaram a ideia de Deus para se consolarem em um mundo hostil e cheio de medos.

O homem primitivo vivia com medo dos animais selvagens e dos fenômenos naturais, como o raio e o trovão.  Os budistas acreditam que o conceito de Deus surgiu desse medo. Também consideram que não há evidência ou pesquisa para provar que Deus existe e, assim, Deus não é necessário para os seres humanos terem uma vida feliz e com significado.  Afinal, dizem os budistas, milhões de pessoas são e têm sido felizes sem qualquer crença em deuses ou Deus.  Por outro lado, os muçulmanos sabem com certeza que a verdadeira felicidade não é alcançável sem submissão à vontade de Deus.  Medo e frustração, diz o Islã, só podem ser conquistados por meio da confiança completa e total em Deus.

Embora o Budismo não tenha um Deus criador todo poderoso, os budistas mahayana adoram bodhisattvas.   São pessoas semelhantes a deuses que conquistaram a iluminação e podiam entrar no Nirvana, mas escolheram ficar no mundo para ajudar outras.  Algumas escolas mahayana que floresceram fora da Índia atribuem algum nível de divindade a um Buda transcendente (qualquer um que tenha alcançado a iluminação), entretanto isso não é comparável ao Deus das religiões monoteístas, como o Islã.  Em alguns textos sagrados budistas, Buda (Sidarta) refuta as reivindicações de um desses deuses e o mostra sujeito à lei cármica.

O conceito de Karma existia antes do advento do Buda (Sidarta), mas ele o definiu e explicou.  Em palavras simples, a lei do carma explica as desigualdades que existem entre as pessoas.  De acordo com o Budismo, a desigualdade é o resultado de nossas próprias ações passadas e atuais.  Nós mesmos somos responsáveis por nossa própria felicidade e miséria.  Criamos nosso próprio Paraíso ou Inferno. Somos de fato os arquitetos de nosso próprio destino.   O Budismo nos diz que nada é fixo ou permanente, que a mudança é possível e as ações têm consequências.   Um conceito que pode ser comparado à teoria cristã de colher o que se plantou ou o versículo do Alcorão que afirma:

"Se praticardes o bem, este se reverterá em vosso próprio benefício; se praticardes o mal, será em prejuízo vosso." (Alcorão 17:7)

Em contraste direto com a crença budista, o Islã ensina que há um Deus criador e todo-poderoso, sustentador do universo, misericordioso e perdoador.   Está sozinho, sem parceiros ou associados.

De acordo com muitos sites e livros budistas, o Budismo não tem a ver com acreditar ou não em Deus, mas com reconhecer que essa crença não é útil quando se tenta alcançar a iluminação.   O Budismo não é ateísmo. É, essencialmente, não teísmo.  Por que então, você pode se perguntar, é comum ver pessoas em toda a Ásia orando ou fazendo oferendas devocionais a representações ou iconografias do Buda?

Quando um budista faz oferenda de flores ou alimento, está demonstrando respeito a Buda. Dá flores e incenso para o templo e alimentos para os monges.  Quando um budista se prostra perante uma imagem, reconhece que o Buda alcançou a iluminação perfeita.  Em contraste, quando um muçulmano se prostra não há imagens ou iconografia. O muçulmano toca sua testa no chão declarando sua submissão completa a Deus, Que está sozinho, sem parceiros, filhos ou intermediários.

No século 5 aEC, depois que Sidarta supostamente alcançou a iluminação, o Buda e seus seguidores viajaram por toda a Índia propagando a mensagem.  O Budismo, em suas várias formas, logo passou a ser encontrado em toda a Índia e Sri Lanka, sudeste da Ásia, Coreia, Japão, Tibete, Nepal e Mongólia.  Até hoje, tantos anos depois, o Budismo continua a se espalhar no mundo ocidental.

http://www.islamreligion.com/pt/articles/4616/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2018, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,887,399 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3