Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Atualidades » As grandes mulheres por trás de grandes homens (parte 4 de 4): A filha
Tamanho da Fonte
As grandes mulheres por trás de grandes homens (parte 4 de 4): A filha
Descrição: Fátima, a filha do profeta Muhammad.
Por Aisha Stacey (© 2015 IslamReligion.com)
Publicado em 17 Aug 2015 - Última modificação em 17 Aug 2015
Visualizado: 204 (média diária: 13) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 3 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Atualidades > Mulheres

"As melhores mulheres da humanidade são quatro: Maria a filha de Imran Aasiyah a esposa do Faraó, Khadija bint Khuwaylid (a esposa do Profeta Muhammad), e Fátima, a filha de Muhammad, o Mensageiro de Deus[1]."

GreatWomenBehindGreatMen4.jpgA chave do sucesso para qualquer mulher é viver de acordo com a orientação de Deus.  Essa orientação está contida no Alcorão e nas tradições do profeta Muhammad.  Em nossa discussão sobre grandes mulheres que apoiam seus homens conversamos sobre o papel de esposas e mães. Hoje é a vez das filhas.  Filhas podem ter grande influência sobre seus amados pais.  Você deve ter ouvido a expressão: "Ela dobra o pai com seus dedinhos", significando que a filha é capaz de convencer o pai facilmente.  Isso certamente é verdade, mas as filhas também podem orientar, proteger e apoiar seus pais.

O amor de uma filha pode impulsionar um pai para coisas novas e maiores e o apoio de uma filha pode ser inestimável.  A filha que discutiremos é Fátima, a amada filha mais nova do profeta Muhammad e sua esposa Khadija.  Fátima era a mais jovem de quatro filhas.  Era uma criança quieta e sensível, devotada aos pais e próxima das irmãs.  Entretanto, quando tinha dez anos houve a oportunidade de se posicionar perante os que deviam parecer homens invencíveis e defender seu pai.  Tinha a forma de uma criança e o coração de um leão.

Um dia quando o profeta orava próximo da Caaba, alguns homens das famílias nobres de Meca trouxeram um balde com intestinos de uma camela e jogaram nas costas dele enquanto ele estava em prostração.  Eram sem dúvida pesados e cheiravam mal, mas o profeta continuou sua oração.  Fátima se posicionou no meio dos homens, sem medo de seu comportamento ameaçador.  Removeu os intestinos e atacou verbalmente os homens, que ficaram parados e não responderam à garotinha.[2]

Em outra ocasião Fátima estava com o pai enquanto ele circungirava a Caaba.  A multidão se reuniu ao redor dele e tentou estrangulá-lo com suas próprias roupas.  A jovem Fátima gritou e pediu ajuda. Nessa ocasião Abu Bakr veio para socorrer o profeta e foi seriamente espancado.  Enquanto outras meninas corriam e brincavam, Fátima testemunhava as provações do pai.  Ao invés de alegria e risos, Fátima se preocupava com o pai e defendia sua missão.  Pai e filha eram companheiros muito próximos.

O tratamento do profeta em relação à Fátima mostra claramente o amor e respeito que tinha por sua filha mais nova.  É conhecido por ter dito: "Fátima é uma parte de mim e quem a deixar zangada, me deixa zangado." [3] A vida para Fátima continuou a ser difícil e depressiva.  A perseguição e boicote dos muçulmanos continuaram sem alívio e o profeta, sua família e seguidores foram forçados a abandonar suas casas e buscar refúgio em um pequeno vale.  Foram forçados a passar vários meses de dificuldade e sofrimento e diz-se que o lamento de crianças famintas podia ser ouvido pelo vale e na cidade de Meca.

A mãe de Fátima, a grande mulher Khadija, morreu logo depois de o boicote terminar, provavelmente devido aos meses de privação.  Fátima ficou abalada pelo sofrimento e a família temia por sua saúde, mas ela se recuperou e ficou ainda mais próxima do pai.  Cuidava dele e o apoiava de maneira tão completa que por um tempo ficou conhecida como as Umm Abi-ha, a mãe do pai.  Em uma ocasião o pai retornou para casa coberto de lama e poeira jogadas por uma multidão.  A jovem Fátima chorou como se o coração dela fosse se partir e o pai lhe disse: "Não chore minha filha, porque Deus protegerá o seu pai." [4]

O profeta Muhammad amava Fátima, entretanto, não dava a ela tratamento especial em relação a seguir o caminho de virtude.  O profeta Muhammad estava preocupado, como todo bom pai, com a outra vida de sua filha.  Um dia, ao lidar com um ladrão, o profeta foi ouvido dizendo: "Os povos antes de vocês foram destruídos porque costumavam infligir as punições legais aos pobres e perdoavam os ricos. Por Aquele em Cujas mãos está minha alma! Se minha filha Fátima fizesse isso (ou seja, roubar), eu cortaria a mão dela."

Fátima se casou com o primo e amigo de infância Ali ibn Abu Talib. Embora muitos homens pedissem a mão de Fátima, incluindo Abu Bakr e Omar ibn Al Khattab, o profeta Muhammad facilitou o casamento entre sua filha e Ali.  A ligação entre pai e filha continuou forte e o profeta Muhammad geralmente visitava Fátima depois que voltava de uma viagem ou batalha, antes de visitar qualquer uma de suas esposas.  Que conforto o profeta deve ter encontrado na presença de Fátima.  Talvez ela o lembrasse de sua amada Khadija, talvez ele amasse estar na presença da menininha que enfrentou a multidão para proteger o pai mais de uma vez.  Aquela menininha era agora uma muçulmana forte e engenhosa.

Os pais não só inspiram suas filhas, mas frequentemente são inspirados por elas.  A reputação de Fátima em relação à piedade e caridade teriam feito o pai orgulhoso e feliz.  Entretanto, um pai é um pai em primeiro lugar e quando ele descobriu que Fátima e Ali não estava orando regularmente as orações noturnas recomendadas, expressou sua desaprovação em termos inequívocos[5].  Outra vez quando Fátima pediu uma serva, o profeta Muhammad ensinou a ela e a Ali as palavras de recordação de Deus que ainda são ditas por milhões de muçulmanos no mundo hoje.

"Posso indicar algo melhor do que o que estão pedindo? Quando forem dormir digam "Subhan Allah (Como Deus é perfeito)" trinta vezes, "Alhamdulillah (Todos os louvores e agradecimentos são para Deus)" trinta vezes e "Allahu Akbar (Deus é o maior)" trinta e quatro vezes, porque isso é melhor para vocês do que uma serva."[6]

Quando o profeta Muhammad ficou seriamente doente, chamou por sua amada filha Fátima.  Ele a beijou e sussurrou algumas palavras no ouvido dela.  Fátima chorou e o pai a puxou e sussurrou novamente, e ela sorriu.  Quando a esposa do profeta Muhammad, Aisha, perguntou a ela sobre a conversa, Fátima respondeu: "Primeiro ele me disse que encontraria seu Senhor em breve e eu chorei. Então ele disse "Não chore porque você será a primeira de minha família a se juntar a mim."[7] Então eu sorri." Em outra narrativa o profeta Muhammad disse que Fátima seria a líder das mulheres do paraíso.[8]

Fátima é uma das quatro grandes mulheres do Islã.  Foi esposa e mãe, mas foi acima de tudo, uma filha.  Uma das características que mais diferenciam uma filha muçulmana é o tratamento que dispensa aos pais.  Fátima era boa e respeitosa e cheia de compaixão e amor.  Aprendeu seus modos da dama Khadija e aprendeu a paciência de seu pai.  Deus a fez uma filha digna de ser imitada.



Notas de rodapé:

[1]Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim

[2] Saheeh Al-Bukhari

[3]Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim

[4] Saheeh Muslim

[5] Saheeh Muslim

[6] Saheeh Al-Bukhari

[7]Ibid.

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2018, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,885,517 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3