Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Religião Comparada » Zoroastrismo (parte 2 de 2): Monoteísmo - a religião original
Tamanho da Fonte
Zoroastrismo (parte 2 de 2): Monoteísmo - a religião original
Descrição: Os masdeístas praticavam uma forma primitiva de monoteísmo.  Os masdeístas são zoroastrianos.
Por Aisha Stacey (© 2015 IslamReligion.com)
Publicado em 05 Oct 2015 - Última modificação em 05 Oct 2015
Visualizado: 119 (média diária: 133) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 0 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0


Zoroastrianism-2.jpgComo muçulmanos acreditamos que todas as pessoas nascem com a inclinação natural para adorar a Deus; Um Deus, não uma pletora de deuses e semideuses.  Portanto, faz todo sentido que no mundo antigo, incluindo no Império Persa, existissem pessoas que adoravam o Deus Único. O Islã completa e purifica esse monoteísmo.

Diz-se que Zoroastro era virtuoso, nobre e compassivo.  Pregava que uma vida moral pavimentava o caminho para bênção eterna.  Encorajava seus seguidores a amar os virtuosos e ter compaixão pelos angustiados.

Como o Islã, o Zoroastrismo não discrimina entre homens e mulheres e ambos os sexos são tratados igualmente nos textos religiosos. Não há tratamento preferencial em relação aos filhos homens e os filhos devem honrar pai e mãe igualmente.

O que exatamente o Alcorão tem a dizer sobre essas religiões monoteístas que pré-datam o Islã que conhecemos hoje? Quem são as pessoas mencionadas junto com judeus e cristãos?

"Quanto aos crentes, judeus, sabeus, cristão, masdeístas ou idólatras, certamente Deus os julgará a todos no Dia da Ressurreição, porque Deus é Testemunha de todas as coisas." (Alcorão 22:17)

Zoroastro tinha uma grande reputação como sábio e médico. Estabeleceu muitos templos do fogo e suprimiu a adoração de demônios e o uso de mágica, bruxaria e feitiçaria.[1] Os zoroastrianos eram de fato pessoas mencionadas no Alcorão como masdeístas.

Embora os antigos gregos vissem Zoroastro como o fundador da religião dos persas, embelezaram a história dele a um ponto de criarem uma existência nova e moderna para Zoroastro.  Foi colocado em um passado antigo impossível, algo como 6 ou 7 milênios antes da Era Comum e invariavelmente era descrito como um rei ou um sábio.  Zoroastro começou a ser retratado não apenas como feiticeiro e astrólogo, mas também como inventor de mágica.  O amor grego pela sabedoria exótica e a evolução da palavra mago, de sábio a praticante de mágica, foram combinadas para definir Zoroastro de forma incorreta como um mágico e os zoroastrianos como mágicos.

A origem da palavra magi em fontes persas não é clara, mas seu uso nas escrituras zoroastrianas parece se referir a um membro de uma tribo ou grupo, possivelmente levando à palavra masdeísta como denotando os zoroastrianos.  Na literatura cristã os três homens que viajam do Oriente para encontrar o Jesus recém-nascido são referidos como magi ou homens sábios.

A origem e significado da palavra sabeu (mencionada no Alcorão com a palavra masdeísta) também é envolvida em mistério. Entretanto, podemos estar certos que masdeístas e sabeus eram dois grupos religiosos distintos e diferentes.

Os sabeus originais não adoravam os anjos ou as estrelas, mas diz-se que seguiam os ensinamentos do profeta Abraão. Em resumo, suas crenças e monoteísmo eram semelhantes aos dos judeus, mas vieram antes dos judeus possivelmente desde o tempo do profeta Noé.  Os sabeus são algumas vezes chamados de o povo do profeta Abraão, assim como os judeus são chamados de o povo do profeta Moisés[2].   Todos os quatro grupos religiosos mencionados no Alcorão, judeus, sabeus, cristãos e masdeístas, praticavam formas de monoteísmo, algumas vezes adulteradas e, portanto, nem sempre o monoteísmo puro do Islã.

Assim, em conclusão, descobrimos que os zoroastrianos nunca foram adoradores do fogo, mágicos, feiticeiros ou astrólogos.   Em uma época o Zoroastrismo dominou uma área que ia do que é hoje Roma e Grécia até Índia e Rússia.[3] Seus números caíram quando o Império Persa foi conquistado no século 7 EC.

Os zoroastrianos não pregam sua religião. De fato, muitos zoroastrianos modernos afirmam que a conversão à religião deles é impossível.   Embora existam sacerdotes, não há hierarquia e intermediários entre as pessoas e Deus.  A doutrina básica do Zoroastrismo gira em torno de bons pensamentos, boas palavras e boas ações.[4]



Notas de rodapé:

[1] http://www.dlshq.org/saints/zoroaster.htm

[2] Ibnul Qayyim in Ahkaam Ahl al-Dhimmah, 1/92-98

[3] (http://select.nytimes.com/search/restricted/article?res=F40E16FB3D550C758CDDA00894DE404482)

[4] http://www.nytimes.com/2006/09/06/world/americas/06iht-faith.2713551.html?pagewanted=all

http://www.islamreligion.com/pt/articles/5033/zoroastrismo-parte-2-de-2/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2018, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,884,679 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3