Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Adoração e Prática » A sabedoria por trás das posturas e frases da oração (parte 2 de 2)
Tamanho da Fonte
A sabedoria por trás das posturas e frases da oração (parte 2 de 2)
Descrição: Confirmando a importância das posturas da oração e olhando para a importância das palavras e frases que usamos.
Por Aisha Stacey (© 2016 IslamReligion.com)
Publicado em 11 Jan 2016 - Última modificação em 11 Jan 2016
Visualizado: 117 (média diária: 141) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 0 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Adoração e Prática > Os Cinco Pilares do Islã e Outros Atos de Adoração

WisdombehindPosturesofPrayer2.jpg Este não é um artigo sobre como ou quando orar. Isso pode ser encontrado em outros lugares. É, ao invés disso, um comentário sobre o poder enraizado nas posturas e frases da oração. No artigo anterior olhamos para alguns dos benefícios das posturas embutidas na oração. Aprendemos que as ações obrigatórias nos beneficiam de muitas maneiras, física, emocional e espiritualmente. A oração estabelece e reforça nossa conexão com Deus. Disso obtemos bênçãos e benefícios numerosos.

Qualquer estudo da oração islâmica explicará que há duas formas de oração. Uma é ritualística com requisitos e maneiras formais, certas posturas e frases. É a isso que os muçulmanos se referem como oração e nossa discussão sobre os benefícios das posturas, movimentos e posições começou na parte 1. A outra forma é a súplica e, em seu sentido mais geral, representa uma conversa aberta com Deus. Ele ouve os nossos apelos e pedidos por meio de dua (súplica) a qualquer momento, em qualquer idioma.  Na oração ritual as posturas que fazemos e as palavras que dizemos são para um propósito específico. São um meio para um fim específico.

O profeta Muhammad disse que "Quando algum de vocês fica de pé na oração, está se comunicando com seu Senhor. Então preste atenção em como fala com Ele."[1]

As posturas da oração são simbólicas da relação da humanidade com Deus. Ficamos de pé e afirmamos nossa existência, nos curvamos para mostrar humildade e nos prostramos em reverência ao poder e força de nosso Criador. Nesse estado de humildade reconhecemos nossa total confiança e dependência de Deus. Deus, entretanto, não precisa de nossas orações. Somos nós, o ser humano frágil, que estamos em constante dependência de Sua proteção e amor. Assim, as posturas da oração não são um conjunto de movimentos aleatórios.  Estamos prestes a descobrir que as fases da oração, as palavras que repetimos pelo menos 17 vezes ao dia, também não são um conjunto aleatório de sons e sílabas.

Comecemos com as palavras Allahu Akbar. Deus é o maior. É uma afirmação de que ninguém é maior e, portanto, ninguém mais é merecedor de adoração do que Deus. Levantamos nossas mãos e dizemos Allahu Akbar e isso significa o começo de nossa audiência com Deus Todo-Poderoso. Deixamos o mundo para trás e a oração começou, nossa conexão está segura. Ao longo da oração repetimos a frase Allahu Akbar, Deus é o maior, de novo e de novo. Cada vez que nos movemos de uma posição para outra dizemos essas palavras, precisamente essa frase, porque ela muda a nossa psicologia. Mantêm-nos focados na reverência d'Aquele perante O Qual estamos orando. Constantemente nos lembra da grandeza do Criador e da insignificância desse mundo.

Depois de começar a oração o crente busca refúgio de Satanás e recita o capítulo de abertura do Alcorão. Esse é o capítulo que frequentemente é chamado de "a Mãe do Livro". Na época em que os árabes chamavam qualquer coisa que resumisse algo de maneira concisa como a "mãe" daquela coisa. Al-Fatihah ou A Abertura é o nome do primeiro capítulo do Alcorão. Devido à magnificência das palavras nesse capítulo, centenas de livros, artigos e ensaios foram escritos a respeito. Um crente repete essas palavras todos os dias, um mínimo de 17 vezes. As bênçãos que trazem são surpreendentes e fortalecem o elo entre Deus e a humanidade.  O capítulo Al-Fatihah é uma cura de todo desânimo e toda melancolia. É uma parte obrigatória de nossa audiência com Deus e confirma nossa crença em tudo que o Islã implica. O mais importante, reconhece que ninguém é merecedor de adoração, exceto Deus. " Só a Ti adoramos e só de Ti imploramos ajuda!" (Alcorão 1: 5)

Outra pequena parte do Alcorão é recitada antes de começarmos a nos mover pelas posturas já discutidas. Deus usa palavras muito específicas com significados muito específicos e é muito recomendado contemplar Suas palavras de orientação e tranquilidade. Entretanto, não é permitido recitar o Alcorão enquanto movemos o corpo durante a oração. As frases que usamos na oração são para louvar a Deus.

A posição de curvatura, conhecida em árabe como ruku, é estabelecida ao nos curvarmos para frente até que as costas estejam na horizontal colocando as mãos sobre os joelhos, permanecendo nessa posição até que nos acalmemos.  Em seu livro Dimensões Interiores da Adoração Islâmica, o sábio muçulmano Al-Ghazali disse: "Se curvar e se prostrar vem acompanhado de uma afirmação renovada da grandeza suprema de Deus. Ao se curvar você renova sua submissão e humildade, se empenhando para refinar seu sentimento interior por meio de uma conscientização de sua própria impotência e insignificância perante o poder e grandeza de seu Senhor. Para confirmar isso, busca ajuda de sua língua, glorificando seu Senhor e testificando repetidamente Sua suprema majestade, interna e externamente."

"O mais próximo que se pode chegar de seu Senhor e quando se está em prostração."[2]

A oração é uma dádiva de nosso Criador e Provedor. É uma dádiva que nos permite passar pelo dia, cada hora, cada minuto dessa vida mundana que mesmo nos melhores momentos pode ser repleta de incerteza e temor.  Há grande sabedoria nas posturas e frases da oração.

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2018, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,884,583 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3