Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » A Crença do Muçulmano » Feitiçaria no Islã (parte 1 de 2)
Tamanho da Fonte
Feitiçaria no Islã (parte 1 de 2)
Descrição: O que o Islã diz sobre feitiçaria?
Por Aisha Stacey (© 2016 IslamReligion.com)
Publicado em 25 Apr 2016 - Última modificação em 25 Apr 2016
Visualizado: 237 (média diária: 53) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 2 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Crenças do Islã > Os Seis Pilares da Fé e Outras Crenças Islâmicas

MagicInIslam1.jpgA posição do Islã sobre feitiçaria tanto para quem pratica a magia quanto para aquele que acredita na feitiçaria pode ser resumida em uma frase.  A feitiçaria é absolutamente proibida.  Entretanto, vamos tentar descobrir por que o Islã a proíbe.  Lembrando que o Islã é um estilo de vida, não apenas um conjunto de crenças que as pessoas podem ou não praticar, constatamos que a feitiçaria é proibida por causa do dano que pode causar a indivíduos, famílias e à comunidade.

Desde o início dos tempos os seres humanos foram fascinados pela feitiçaria em todas as suas formas.  Ficaram admirados e acreditaram em mitos e, muitas vezes, não se deram conta dos perigos inerentes à feitiçaria.  A feitiçaria é conhecida em árabe como sihr e é um dos truques que Satanás usa para desencaminhar a humanidade.  É por essa razão que o Islã alerta contra a magia.  Deus adverte sobre ela no Alcorão.

"Os homens aprendiam o que lhes era prejudicial e não o que lhes era benéfico, sabendo que aquele que assim agisse, jamais participaria da ventura da outra vida. A que vil preço se venderam! Se soubessem..." (Alcorão 2:102)

A feitiçaria é realizada com a ajuda do Jinn[1], cuja ajuda é obtida quando o feiticeiro ou feiticeira comete atos de descrença e adora o Jinn e Satanás.  Dessa forma adotam o Jinn e Satanás como seus senhores, além de Deus.  Uma vez que o Jinn esteja satisfeito com o feiticeiro ou feiticeira, farão o que lhe for pedido.  O renomado sábio muçulmano do século 20, sheikh Ibn Baz, que Deus tenha misericórdia dele, disse: "Sihr (feitiçaria) é uma palavra que se refere a algo oculto.  É real e existem tipos de feitiçaria que podem afetar pessoas física e psicologicamente, de modo que fiquem doentes e morram ou maridos e esposas sejam separados.  É uma ação demoníaca, em grande parte só alcançada por meio de associar outros a Deus e com a aproximação subalternos de Satanás".

O profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, aconselhou seus seguidores a evitarem os sete pecados destrutivos.  "Fazer qualquer um ou qualquer coisa parceiro com Deus; praticar feitiçaria; matar um ser vivo sem justificativa e cuja vida foi declarada sagrada por Allah; praticar usura; se apropriar indevidamente da propriedade de um órfão; fugir em uma batalha; e caluniar mulheres castas, inocentes e crentes."[2]

Durante a vida do profeta Muhammad uma das formas mais populares de feitiçaria era amarrar nós em uma corda e então recitar encantamentos sobre os nós, enfeitiçando ou prejudicando outra pessoa.  Isso é mencionado na segunda parte do último capítulo do Alcorão, onde somos encorajados a buscar refúgio desse mal.  "Do mal dos que praticam ciências ocultas." (Alcorão 113:4)

Essa forma de feitiçaria era feita ao profeta Muhammad, mas Deus não permitiu que isso fizesse qualquer mal a ele. Um homem mau lançou um feitiço sobre o profeta Muhammad usando um cabelo que foi pego em uma escova junto com algumas fibras de uma tamareira. Depois que o feitiço foi lançado o profeta começou a imaginar que tinha tido relações sexuais com uma de suas esposas, quando de fato não tinha tido. O efeito do feitiço foi limitado e não interferiu de forma alguma com sua responsabilidade de transmitir a mensagem divina.  Sua amada esposa Aisha narra que: "Um dia ele (profeta Muhammad) suplicou a Deus e então disse: "Sabe que Deus me mostrou onde está minha cura?  Dois homens vieram até mim e um deles se sentou em minha cabeça e outro aos meus pés.  Um disse ao outro: "O que está afligindo o homem?" Ele disse: "Ele foi enfeitiçado." O outro disse: "Quem o enfeitiçou?" Ele disse: "Labeed ibn al-A’sam." Ele disse: "Com o que?" O outro disse: "Com uma escova, um cabelo que foi pego nela e a fibra de uma tamareira macho."  E ele disse: "Onde ela está?" O outro disse: "No poço de Dharwaan.’" Ele foi até o poço, voltou e disse: "Suas tâmaras são como as cabeças de demônios." Eu disse: "Você a tirou?" Ele disse: "Não.  Deus me curou e temo que isso possa trazer o mal sobre as pessoas." Então o poço foi fechado.  [3] O profeta Muhammad alerta novamente a seus seguidores sobre os perigos da mágica (feitiçaria ou bruxaria) quando afirma que: "Quem amarrar um nó e disser encantamentos sobre ele cometeu feitiçaria e quem cometer feitiçaria associou parceiros a Deus e quem se apoia em algo (além de Deus) será derrubado por isso."[4]

Outra forma de feitiçaria extremamente popular hoje em dia é ouvir previsões feitas por videntes e consultar horóscopos.  Vale lembrar o que o profeta Muhammad disse sobre essas formas de feitiçaria: "Quem for a um adivinho e lhe perguntar sobre qualquer coisa não terá suas orações aceitas por quarenta dias." [5] Isso não significa que uma pessoa esteja isenta da oração, mas que não receberá nenhuma recompensa por sua oração.

"Quem for a um vidente ou adivinho e acreditar no que ele disser, deixou de acreditar no que foi revelado a Muhammad."[6]

"Não pertence a nós quem acredita em bons ou maus presságios; pede a outros que deem suas opiniões com base em boa ou má sorte baseado no movimento de objetos terrenos; busca adivinhação ou pratica feitiçaria ou que permite que façam feitiçaria em seu nome.  Quem for a um vidente ou adivinho e acreditar no que ele disser, deixou de acreditar no que foi revelado a Muhammad."[7]

Feitiçaria, sihr em árabe, que inclui feitiçaria, vidência de qualquer tipo, astrologia ou adivinhação é estritamente proibido no Islã.  Em todos os casos envolve lidar com o oculto e, na maioria dos casos, envolve atribuir parceiros a Deus.  São ambos pecados muito sérios e envolverão, no mínimo, a pessoa que pratica ou acredita em feitiçaria, em comportamento que pode levar à sua queda eterna.

No segundo artigo discutiremos curas para feitiçaria.  O que fazer se alguém é afetado pela feitiçaria ou se quiser se proteger dos maus efeitos da feitiçaria.



Notas de rodapé:

[1]Para aprender mais sobre os Jinn, veja: http://www.islamreligion.com/articles/669/viewall/)

[2]Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim

[3]Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim

[4] An Nasa'i

[5] Saheeh Muslim

[6] Abu Dawood

[7]Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim.


http://www.islamreligion.com/pt/articles/5246/feiticaria-no-isla-parte-1-de-2/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2018, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,883,541 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3