Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » A Crença do Muçulmano » Fontes islâmicas: Alcorão e Sunnah (parte 2 de 2)
Tamanho da Fonte
Fontes islâmicas: Alcorão e Sunnah (parte 2 de 2)

Descrição: A religião do Islã é baseada no Alcorão (a Palavra de Deus) e a Sunnah (ensinamentos e atributos do profeta Muhammad).  Parte 2: Sunnah: A fonte secundária do Islã
Por islaam.net
Publicado em 26 May 2014 - Última modificação em 26 May 2014
Visualizado: 340 (média diária: 7) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 3 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Crenças do Islã > O Que é o Islã

Sunnah

O termo Sunnah vem da palavra raiz sanna, que significa pavimentar o caminho ou facilitar a passagem em um caminho de modo que se torne um meio comumente seguido por todos que vierem depois.  Assim, a palavra Sunnah pode ser usada para descrever uma rua, estrada ou caminho no qual viajam pessoas, animais e carros.  Adicionalmente, pode-se aplicar a um modo profético, ou seja, a lei que trouxeram e ensinaram como explicação ou clarificação de um livro divinamente revelado.  Normalmente o modo profético inclui referências a seus ditos, ações, características físicas ou traços de caráter.

Do ponto de vista islâmico, a Sunnah se refere a qualquer coisa narrada ou relacionada ao profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, traçados autenticamente a ele em relação à sua fala, ações, características e aprovações silenciosas.

Cada narração é composta de duas partes: o isnad e o matn.  O isnad se refere a uma cadeia de pessoas que narrou uma narração em particular.  O matn é o texto em si da narração.  O isnad deve ser composto de indivíduos sinceros e de caráter elevado, cuja integridade é inquestionável.

A fala do Profeta Muhammad

A fala do Profeta Muhammad se refere a seus ditos.  Por exemplo, ele disse:

“As ações são julgadas pelas intenções. Todos serão recompensados de acordo com sua intenção. Quem migrar em nome de Deus e Seu profeta sua migração será anotada como uma migração em nome de Deus e Seu profeta. Da mesma forma, quem migrar apenas para obter algo mundano ou se casar com uma mulher, sua migração terá o valor de sua intenção.” (Saheeh Al-Bukhari)

O profeta também disse:

“Quem acreditar em Deus e no Último Dia deve dizer algo bom ou ficar em silêncio.”

Os dois relatos acima mostram claramente que o profeta falou essas palavras.  Consequentemente, são conhecidos como sua fala.

As ações do Profeta Muhammad

Suas ações pertencem a tudo que ele fez, como autenticamente relatado pelos Sahaba (Companheiros).  Por exemplo, Hudaifa relatou que sempre que o profeta se levantava à noite, escovava seus dentes.  Aisha também relatou que o profeta gostava de fazer tudo começando com o lado direito - colocar os sapatos, caminhar, se limpar e em todos os seus assuntos de maneira geral.

As aprovações silenciosas do Profeta Muhammad

Suas aprovações silenciosas em questões diferentes significavam que não se opunha ou importava com o que viu, ouviu ou soube das ações ou ditos de seus Companheiros.  Em uma ocasião, por exemplo, o profeta soube das ações de alguns de seus companheiros através de outros companheiros.  Logo após a batalha de Khandaq o profeta Muhammad deu a ordem para os companheiros se moverem rapidamente para a tribo de Banu Quraydah, encorajando-os a correr para que, talvez, orassem Asr (a oração da tarde) lá.  Alguns dos companheiros do profeta responderam imediatamente e partiram sem orar Asr.  Chegaram depois do por do sol, armaram o acampamento e oraram Asr depois do por do sol.  Ao mesmo tempo, outro grupo de companheiros formulou o julgamento de forma diferente.  Pensaram que o profeta estava meramente encorajando-os a correr para o destino, ao invés de atrasar Asr até depois do por do sol.  Consequentemente, decidiram ficar em Medina até que tivessem orado Asr.  Imediatamente depois disso correram na direção da tribo de Banu Quraydhah.  Quando contaram ao profeta de como cada grupo respondeu de forma diferente ao seu comando, ele confirmou os dois julgamentos.

Características físicas e morais do Profeta Muhammad

Tudo autenticamente narrado em relação à complexão do profeta e o resto de suas características físicas também está incluso na definição de Sunnah.  Umm Ma’bad descreveu o que viu do grande profeta.  Ela disse:

“Vi um homem, sua face radiante e com brilho, nem muito magro e nem muito gordo, elegante e bonito. Seus olhos tinham um matiz negro profundo com cílios longos. Sua voz era agradável e seu pescoço longo. Tinha uma barba espessa. Suas sobrancelhas longas e negras eram belamente arqueadas e conectadas. Em silêncio, permanecia solene, merecedor de temor e respeito. Quando falava, sua fala era brilhante. De todas as pessoas era a mais bonita e agradável, mesmo à distância. Em pessoa, era único e admirável. Agraciado com lógica eloquente, seu discurso era moderado. Seus argumentos lógicos eram bem organizados como se fossem uma cadeia de pérolas. Não era muito alto e nem muito baixo, mas exatamente no meio. Entre três, parecia o mais radiante e vibrante. Tinha companheiros que o honraram afetuosamente. Quando falava, o ouviam atentamente. Quando dava ordens, as executavam rapidamente. Ficavam ao seu redor, protegendo-o. Ele nunca se aborrecia ou falava de forma frívola.” (Hakim)

Junto com suas características físicas, seus companheiros também descreveram seus hábitos e comportamento com as pessoas.  Uma vez Anas relatou:

“Servi ao profeta de Allah, que a paz esteja sobre ele, por dez anos. Durante esse tempo, ele nunca me disse nem um “uff”, caso eu fizesse algo errado. Nunca me perguntou se eu tinha deixado de fazer algo. “Por que não fez isso?” e nunca me disse, caso eu tivesse feito algo errado, “Por que fez isso?”

Do relatado acima podemos ver claramente que quando o termo Sunnah aparece em um contexto geral se referindo ao profeta Muhammad, compreende qualquer coisa narrada sobre o profeta e autenticamente traçada até ele.  Quando um muçulmano fica ciente da autenticidade de qualquer narração, ele/ela é obrigado/a a seguir e obedecer de acordo.  Essa obediência é ordenada por Deus, quando Ele declara:

“...obedecei a Deus e ao Seu Mensageiro, e não vos afasteis dele enquanto o escutais (em prédica).” (Alcorão 8:20)

Às vezes alguns muçulmanos ficam perplexos quando as pessoas dizem que a Sunnah é algo apenas recomendado e não é obrigatória.  Assim concluem que devemos seguir somente o Alcorão e não a Sunnah.  Esse argumento resulta de um grande mal entendido.  Os sábios da jurisprudência islâmica usam o termo Sunnah para denotar o que é autenticamente estabelecido do profeta Muhammad em atos que não foram subsequentemente feitos obrigatórios por Deus.

Acrescentam que isso inclui qualquer dito do profeta Muhammad no qual ele encoraja os muçulmanos a fazerem uma tarefa em particular e elogia os que se apegam a esses atributos.  Assim, para eles, o termo Sunnah se refere ao que é “recomendado” e não é obrigatório (fard ou wajib).

Disso podemos ver claramente que o termo Sunnah assume significados diferentes quando usado por disciplinas islâmicas diferentes.

http://www.islamreligion.com/pt/articles/4943/


Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2017, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,430,376 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3