Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940
Email: siteluzdoislam@gmail.com

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » História Islâmica » Omar, o Critério (parte 1 de 3)
Tamanho da Fonte
Omar, o Critério (parte 1 de 3)
Descrição: Como o segundo sucessor do profeta Muhammad abraçou o Islã.
Por Aisha Stacey (© 2013IslamReligion.com)
Publicado em 08 Jul 2013 - Última modificação em 08 Jul 2013
Visualizado: 122 (média diária: 33) - Classificação: nenhum ainda - Classificado por: 0
Impresso: 2 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0


Quando os inimigos do Islã ouviam o nome de Omar, seus joelhos tremiam.  Quando Satanás via Omar caminhando na rua, mudava de direção.  Até os amigos de Omar às vezes achavam sua presença intimidante e também temiam sua ira.  Entretanto, esse home de força e poder chorava facilmente e tinha um coração generoso e compassivo.  Omar era humilde sem ser fraco.  Combinava dois traços opostos de caráter e isso fez dele único entre os homens ao redor do profeta Muhammad.  O caminho de Omar para a verdade começou com um ódio veemente de Muhammad e da religião do Islã, mas aquele ódio logo se transformou em amor profundo.  Omar ibn Al Khattab fortaleceu o Islã.

Pertencia à uma família de classe média, nem rica e nem pobre, do clã Adi, parte da tribo dos coraixitas.  Teve uma infância dura. Seu pai era conhecido por ser um homem severo que tinha disciplinado seu filho à exaustão, batendo nele quando considerava necessário.  Apesar disso acredita-se que Omar sabia ler, uma habilidade rara na Arábia pré-islâmica.  Nascido aproximadamente 11 anos depois do profeta Muhammad, Omar era um garoto de pele relativamente clara que se transformou um homem alto, bem constituído e musculoso conhecido por seu comportamento violento e habilidades para a luta.

Omar começou a trabalhar como pastor para seu pai e tios e recebia um pequeno estipêndio, geralmente um punhado de tâmaras por um dia inteiro de trabalho.  Complementava seus rendimentos participando de competições de luta, mas na vida adulta tornou-se um negociante bem-sucedido e homem de negócios respeitado.  Omar era conhecido como um homem forte.  Sua postura e conduta denotavam força e sua voz era alta e de comando.  Quando os ensinamentos de Muhammad se tornaram um problema para os homens de Meca, Omar pronunciou seu ódio pelo Islã abertamente e participou do abuso e tortura de muitos dos convertidos mais fracos ao Islã.

Os dois Omars

Embora não conhecido por seu nome de Omar, havia outro homem forte e determinado que se opunha ao Islã.  Era o homem originalmente conhecido como Abu Hakim (o pai da sabedoria), mas a história nos lembra dele como Abu Jahl (o pai da ignorância), o inimigo declarado do Islã.  O profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, deu a ele o nome de Abu Jahl para denotar sua total ignorância em não reconhecer a verdade do Islã.  Relatos tradicionais revelam que o profeta Muhammad em uma ocasião levantou as mãos em súplica e implorou a Deus que fortalecesse o Islã com um dos dois Omars que mais amasse.  Para os inimigos do Islã e os companheiros do profeta Muhammad, Omar ibn al Khattab abraçar o Islã era uma noção impensável.

O ódio de Omar pelo Islã era tão forte que se ofereceu como voluntário para matar o profeta Muhammad.  Sem um segundo de hesitação desceu as ruas de Meca com a intenção de desembainhar sua espada e acabar com a vida do profeta de Deus.  Um dos homens de Meca, que secretamente era muçulmano, viu o olhar no rosto de Omar e imediatamente soube que seu amado profeta estava em perigo.  Sem temer por si mesmo, aproximou-se de Omar e perguntou onde estava indo com tanta pressa.  Oma respondeu que ia "para o homem que havia desunido nosso povo, amaldiçoado nossos deuses e nos feito de tolos" e disse "vou matá-lo".

O jovem muçulmano chamado Nu'aim sentiu o terror em seu coração e tentou começar uma discussão com Omar para distraí-lo, mas Omar estava determinado com sua missão e seguiu em frente.  Nu'aim relutantemente falou as palavras que levou Omar para o Islã.  Disse: "Por que não cuida de sua própria casa primeiro?"  Omar parou e perguntou o que ele queria dizer com essas palavras.  A amada irmã de Omar e seu marido tinham abraçado o Islã secretamente e Nu'aim revelou o segredo para salvar a vida do profeta Muhammad.

Omar voltou imediatamente e caminhou com determinação na direção da casa de sua irmã.  Enquanto se aproximava, pode ouvir o som do Alcorão sendo recitado.  Omar bateu na porta.  Os moradores esconderam suas cópias do Alcorão, mas Omar entrou e exigiu saber que som "cantarolante" era aquele que tinha ouvido.  A irmã de Omar respondeu que não era nada, apenas o som deles conversando, mas Omar conhecia o som do Alcorão e perguntou ameaçadoramente: "Você se tornou muçulmana?"  O cunhado de Omar respondeu afirmativamente e nessa hora Omar caiu sobre ele, derrubando-o no chão.  A irmã de Omar tentou defender o marido e, na confusão, Omar atingiu seu rosto, tirando sangue.

O Alcorão entra em seu coração

A irmã de Omar parecia ter a força que fazia seu irmão ser tão famoso. Levantou-se e enfrentou seu irmão enfurecido dizendo: "Inimigo de Deus!  Bateu em mim apenas porque acredito em Deus.  Goste ou não, testemunho que não há divindade exceto Allah e que Muhammad é Seu servo e mensageiro.   Faça o que quiser!"  Omar viu o sangue correndo do rosto de sua irmã, suas palavras ecoaram em seus ouvidos e ele se levantou.  Omar exigiu que as palavras do Alcorão que tinha ouvido quando se aproximava da casa fossem recitadas para ele.

"Não te revelamos (ó Muhammad) o Alcorão para que te mortifiques. Mas sim como exortação aos tementes. É a revelação de Quem criou a terra e os altos céus,   Do Clemente, Que assumiu o Trono. Seu é tudo o que existe nos céus, o que há na terra, o que há entre ambos, bem como o que existe sob a terra.  Não é necessário que o homem levante a voz, porque Ele conhece o que é secreto e ainda o mais oculto.  Deus! Não há mais divindade além d’Ele!  Seus são os mais sublimes atributos." (Alcorão 20:2-8)

Os olhos de Omar se encheram de lágrimas.  "É contra isso que estamos lutando?" perguntou.  "Aquele que falou essas palavras precisa ser adorado." Omar deixou a casa da irmã e correu para Muhammad.  Aqueles com o profeta Muhammad estavam com medo, mas deixaram Omar entrar e o seguraram até que estivesse na presença de Muhammad.  O profeta Muhammad o segurou e perguntou: "Por que veio até aqui, filho de Khattab?"

Omar olhou para o profeta Muhammad com humildade e alegria e disse: "Ó mensageiro de Deus, vim para dizer que acredito em Deus e Seu mensageiro."  O profeta Muhammad foi tomado pela alegria e clamou que Deus era Grande!  Dentro de dias Omar liderou uma procissão de muçulmanos para a casa de Deus onde oraram abertamente.  Foi nessa ocasião que o profeta Muhammad deu a ele o apelido de Al Faruq - o critério[1].  Isso denota que ele é capaz de distinguir verdade de falsidade.  O Islã foi fortalecido com Omar e seu ódio se transformou em um amor sem limites.  Sua vida e sua morte passaram agora a ser em nome de Deus e Seu mensageiro.



Footnotes:

[1] Tirado dos trabalhos históricos de At Tabari, & The Life and times of Omar Ibn Al Khattab do Sheikh Ali Muhammad Salladi.

leia o artigo original em: http://www.islamreligion.com/pt/articles/2100/

Navegação de Artigos:
<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>

Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Centro Islâmico de Taubaté © 2009-2017, todos os direitos reservados.
Rua Benedito Silveira Moraes, 221, Bairro Jardim do Sol - Taubaté - SP. CEP: 12070-290. Fones: (12) 3624-8602 / 3411-1940.
E-mail:
siteluzdoislam@gmail.com

2,428,621 visitas únicas

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3